La #Garnacha Salvaje del Moncayo 2011 – Garnachas de España

moncayo

Já tinha visto pelas redes sociais fotografias desta colecção de vinhos e dos seus tremendos rótulos. Acho que tenho de fazer um artigo só dedicado a eles.
Numa das últimas idas a Sevilha, finalmente consegui comprar algumas garrafas deste projecto – Garnachas de España.
Onde Raul Acha e sus muchachos, procuraram vinhas em Espanha que espressassem a essência desta casta e fazem cinco vinhos 100% Garnacha.
Uma forma muito interessante de estudar e consumir esta casta.

O La Garnacha Salvaje del Moncayo 2011, é um vinho jovem com taninos na guelra.
Não é aquele vinho polido, educado, bem falante que muitos buscam. Tem um toque rústico!
Este vinho é produzido com garnacha selvagem de Moncayo, em Ribera del Queiles, de vinhas com cerca de 55 anos a uma altura de 810 metros.
A história da garnacha rescreve-se a partir de 1850 em Espanha, devido à sua resistência ao oídio. Segundo Fernando Martinez de Toda, catedrático de viticultura da Universidade de La Rioja, aponta para o sucesso dos vinhos de La Rioja a qualidade e potencialidade da garnacha. Sendo que em determinada altura suplantou em área de plantação da casta Tempranillo.

A mim agradam-me estes vinhos, busco vinhos diferentes, tento essencialmente entender estilos e castas.
Gostava de ter partilhado a abertura desta garrafa com o Jorge!

No nariz temos uma fruta selvagem, quase que regresso à minha adolescência no Alentejo, quando apanhavamos amoras nas silvas!
A boca reflecte esse aroma selvagem, vivacidade, com acidez suficiente para o tornar bastante fresco e nada massador. Tem uma ligeira passagem por madeira, cinco meses apenas, para lhe conferir algum fumado ligeiro.

Um vinho com um perfil diferente, cativante e bem conseguido, mas para quem é mais ousado em termos de gosto.
Os Goliardos, talvez o colocassem na sua newsletter, na secção dos hedonistas.