Tudo pelo Dão – #daowinelover

1º Encontro e Prova Internacional de Vinho - #Encontro11

Estávamos na segunda metade dos anos oitenta e das primeiras memórias que tenho sobre vinho é encontrar na garrafeira do meu pai, bastante garrafas de vinho tinto da Sogrape, da marca Grão Vasco, com um lettering bem distintivo com a palavra Dão.
Parece tudo confluir para o Dão!

Casa da Passarela Vinhas Velhas 2008

Dois dos mais populares Wine Bloggers Portugueses, o Rui Miguel Massa e o Miguel Pereira, decidiram fazer lobby pelos vinhos da Região Demarcada do Dão.
Existe assim um grupo no Facebook para o efeito o #daowinelover, e através do Twitter também se pode ir seguindo o que vai sendo dito através desta mesma hashtag #daowinelover.

Porta dos Cavaleiros Reserva 2007

É um grupo de discussão exclusivo para amantes do vinho do Dão, que vai certamente juntar muitas pessoas em seu redor, pois a região produz vinhos bastante carismáticos.
O produtor João Tavares de Pina, sobre os vinhos do Dão refere-se “que os autênticos, são austeros, sempre com a terra a marcá-los”, partilho dessa mesma opinião, e esse talvez seja o perfil que um amante e conhecedor de vinhos procura e identifica na região do Dão.

Adegga Wine Market 2011

Espero que este grupo possa proporcionar boas discussões!

Quinta da Nespereira VINEATICU 2011

Quinta da Nespereira VINEATICU 2011

Os primeiros vinhos da Quinta da Nespereira, chegaram ao mercado em 2004.
A quinta têm actualmente 20 ha de vinha, plantados em 1997. Com castas como a Touriga Nacional, Tinta Roriz, Alfrocheiro, Jaen, Encruzado e Verdelho.

Este Quinta da Nespereira VINEATICU 2011, é um blend de Encruzado e Verdelho.

Para quem se interessa sobre os processos de vinificação este vinho teve uma fermentação em barricas de carvalho francês, com direito a batonnage, para lhe conferir maior complexidade e maciez.
Para referência, os 13.5% não se fazem sentir.

A cor é amarela, como disse facilmente a minha filha.
Nos aromas, vegetal, complexo e um toque a madeira.
Na boca temos um agradável volume, a acidez é bastante viva – quase que picante no primeiro instante.
A madeira nota-se e está no limiar, tapar um vinho tão agradável de Encruzado e Verdelho com madeira neste caso seria nada sensato. Felizmente que não o fizeram!
Em conversa com o Nuno Gonçalo Monteiro ficamos bastante curiosos como irá evoluir no tempo esta colheita.
O final é longo com toque cítrico bastante acentuado e prazeroso.

Foi uma grande surpresa vinda do Dão.

Um vinho que irei comprar decididamente, pela acidez, nota cítrica no final e volume que apresenta.

Nota: Vinho envido pela Quinta da Nespereira.

Casa da Passarela Rosé 2010

20120211-145315.jpg

Isto dos blogues quer queiram quer não, é a exposição máxima dos nossos dias.
Partilho as minhas experiências porque acho que são interessantes e estão ao alcance da maioria.
Nem sei o porque de me justificar tantas vezes.

Almoço de Sábado sem qualquer preparação devido à agenda das meninas e ao meu atraso com um afazer, o que há, o que fazemos, para o almoço?
Nada como massa, molho de tomate, atum, bacon, manjericão, cebola, queijo e claro um vinho para acompanhar isto tudo.
Daquelas receitas simples, que não produzem pratos complexos, mas simples e que remetem a memórias passadas.

O escolhido já estava na calha, leia-se frigorifico e talvez a decisão para o que saiu se deva a ele – Casa da Passarela Rosé 2010, queria ver como poderia resultar com um prato simples, deste género.

Sobre o vinho é produzido no Dão, a partir de duas castas, Tinta-Roriz e Touriga Nacional. E foi gentilmente oferecido pelo seu enólogo, Paulo Nunes.
Ainda não tinha provado qualquer vinho deste produtor, acreditem que não, eu também me pergunto porquê demorei tanto tempo!

De cor rosada intensa, tem um aroma a fruta intenso, na boca é elegante, fresco, framboesa? Tive a sensação disso. Com o subir de temperatura e sol que estava esta manhã pensei que o Verão tinha regressado ao Algarve. O final é longo e muito agradável.

Bom fim-de-semana!