VIRGO vezes dois

Virgo

A marca Virgo nasce da experiência e irreverência do produtor Alentejano Torre do Frade.

O Virgo 2010 Tinto, chegou primeiro ao mercado e têm a particularidade de apresentar parte do rótulo personalizavel e destacavel.
Motivo mais do que suficiente para poder obter alguma atenção entre as milhares de referências produzidas em Portugal no que toca a vinho.

A enologia está a cargo de Paulo Laureano, e este 2010 é um blend das castas Syrah, Trincadeira, Alicante Bouschet e Aragonês.
No copo temos um vinho jovem com aromas a frutos vermelhos. Na boca gostei da acidez e do toque especiado do Syrah. É bastante agradável de saborear.
Os taninos estão bem domados, tornando o vinho facil e sem necessidade de tempo em cave.

Mais não se podia pedir, pois a comunicação é jovem e sem complexos.
Não há referências a concursos nem a pontuações.
Apela-se à fraternidade, à comunhão e à partilha de boas experiências à mesa.
Um vinho que convida ao convivio entre amigos.

Virgo

O Virgo este ano recebeu mais uma referência desta vez a colheita de 2011 do branco.
O Virgo 2011 Branco é também um blend, mas de Arinto, Viognier e Antão Vaz.
Uma combinação pouco usual no Alentejo, mas que produz um resultado muito agradável e exótico.
Um branco com acidez, secura e um travo a verde.

Virgo

Tenho carinho por estes dois vinhos porque são rebeldes na sua comunicação e são vinhos com uma comunicação jovem e descomplexada prontos para consumir.
E não são só um produto de design.

Nota: Vinhos enviados pela Torre do Frade.